Escreva a sua pesquisa

Mostrar mensagens com a etiqueta Guia do Coração. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Guia do Coração. Mostrar todas as mensagens

30 de março de 2016

10 Mentiras (em que acreditou) sobre a Hipertensão Arterial

quarta-feira, março 30, 2016
A pressão arterial é a força com que o sangue circula nas artérias e veias. Conheça alguns mitos sobre a hipertensão, uma doença silenciosa e sem sintomas.

1. A medicação para a hipertensão afeta o desempenho sexual
Certos medicamentos anti-hipertensores (betabloqueantes, diuréticos ou a a-metildopa), podem alterar a resposta sexual. No entanto, existem à disposição no mercado inúmeros medicamentos efetivos e bem tolerados que minimizam este efeito secundário.

2. Quando a pressão está baixa, colocar uma pitada de sal debaixo da língua resolve
Pode elevar temporariamente o nível da tensão, mas para o efeito, não é a melhor forma de resolver a situação. Para elevar a pressão, o corpo deverá reter líquidos e isso não acontece imediatamente com a ingestão de sal. Como tal, a forma ideal para minorar os desconfortos da pressão baixa passa pela ingestão de líquidos (por exemplo, água) e, caso a pessoa esteja muito sintomática, deve deitar-se no chão mantendo as pernas elevadas acima da cabeça.

3. A hipertensão costuma causar sintomas
A hipertensão não costuma causar sintomas, principalmente em hipertensos crónicos. Por este motivo, a doença é conhecida como a "doença silenciosa". Sintomas como dor de cabeça, mal-estar, tonturas e hemorragia nasal não são um bom indicador da doença.

4. A hipertensão arterial é curável
Esta patologia pode ter cura, mas numa minoria dos casos. Em menos de 10% dos hipertensos encontramos uma causa curável. Na maioria das pessoas, a hipertensão é uma doença causada por diversos fatores (designada como doença multifactorial), atuando de uma forma conjunta e complexa. Geralmente não tem cura e é crónica.

5. As pessoas devem apresentar uma pressão arterial constante
A tensão costuma variar de acordo com as atividades exercidas pelo indivíduo. A pressão arterial costuma ser maior em situações de stress, excitação ou esforço físico. Durante o sono, costuma haver uma queda fisiológica da tensão. Os idosos apresentam uma grande variabilidade da pressão arterial, podendo num mesmo dia apresentar valores discrepantes em curtos intervalos de tempo.



6. É normal que as pessoas idosas tenham uma pressão arterial mais elevada
Com a idade, pode verificar-se um aumento da tensão máxima ou sistólica, enquanto que a pressão mínima ou diastólica não aumenta (ou até diminui) após os 50 anos. Tanto para adultos como para idosos, uma pressão arterial sistólica maior ou igual a 140 mmHg é considerada elevada.

7. A mulher tem sempre uma pressão arterial mais baixa
Até entrar na menopausa a mulher sofre influência dos estrogénios que atuam com um efeito protetor ao nível da tensão arterial. Mas esse fator não influencia significativamente a aferição da mesma.

8. Iniciar a medicação pode deixar o organismo dependente
A grande maioria dos hipertensos que inicia uma medicação anti-hipertensora acaba por usá-la de uma forma contínua. No entanto, mudanças dos hábitos de vida poderão resultar numa normalização da pressão arterial. Nestes casos, a medicação anti-hipertensora poderá ser ajustada ou suspensa.

9. Uma vez que a tensão está controlada, poderei suspender a medicação
A normalização da tensão costuma ser resultado da combinação de modificações no estilo de vida e da medicação. Como a ação dos medicamentos é de carácter transitório (e daí a necessidade de tomas regulares dos mesmos), a sua suspensão elevará novamente a tensão.

10. Sou uma pessoa stressada, por isso a minha pressão arterial não se controla
O stress, tal como outros fatores, apresenta influência na oscilação da tensão, inclusivé em indivíduos saudáveis. Contudo, não impede de controlar a doença, através da medicação anti-hipertensora prescrita e hábitos de vida saudáveis.

24 de agosto de 2013

Acidente vascular cerebral (AVC) - Causas, sintomas e tratamentos

sábado, agosto 24, 2013
O acidente vascular cerebral é uma doença caracterizada pelo inicio agudo de um défice neurológico funcional, com distúrbios circulatórios arterial ou nervoso com isquemia de um dos hemisférios cerebrais ou o comprometimento de um área especifica.
Algumas formas de Acidente Vascular Cerebral
  • Embolia cerebral trombo-embolia
  • Acidente vascular isquémico (isquemia cerebral aguda)
  • Acidente vascular hemorrágico
O acidente vascular cerebral consiste na oclusão de um vaso sanguíneo de natureza trombótica ou por êmbolos sépticos que interrompe o fluxo de sangue a uma região especifica do cérebro, interferindo com as funções neurológicas dependentes da região afectada. O acidente vascular hemorrágico apresenta uma hemorragia local, aumento de pressão e edema cerebral. Pode-se ter originado num traumatismo craniano. Em todos os casos, o tamanho e a localização a área afectada, que deixa de ser irrigada, vão determinar a gravidade da doença e o seu prognóstico. Se a lesão for de granes dimensões, a morte pode ser iminente, ou ficarem danificadas diversas funções orgânicas; se a obstrução for parcial, o comprometimento de certas funções é pequeno e a sua recuperação e quase completa

CAUSAS OU FACTORES DE RISCO
Hipertensão arterial (sistólica, diastólica ou ambas) - induz um estreitamento progressivo das arteríolas cerebrais. Estudos feitos mostraram existir um trio perfeito entre o consumo de sal, a hipertensão e a hemorragia cerebral.
Doença cardíaca, como a aterosclerose, viscosidade do sangue e o aumento de gorduras a circular na corrente sanguínea (hiperlipidemia) e fibrilhação arterial, insuficiência cardíaca congestiva.
ALCOOLISMO - a bebida em excesso aumenta o risco de acidente vascular cerebral.
TABAGISMO -  o hábito de fumar aumenta consideravelmente o risco de AVC.
OBESIDADE - a oclusão do vaso pode ocorrer por arteriosclerose, embolia, inflamação, doença intrínseca ou por traumatismo.

OUTROS FACTORES DE RISCO
  • Sedentarismo
  • Stresse
  • Erros alimentares (excesso de sal e consumo de carnes gordas, pois têm gorduras saturadas e colesterol)
  • Os idosos, pessoas de meia-idade, diabéticos, obesos, fumadores, etc. são grupos de risco, assim como as mulheres que tomam a pílula como meio anticoncepcional.
SINTOMAS
  • Fraqueza num dos membros superiores ou inferiores (perna ou braço), ou face; a hemiplegia aparece no lado oposto ao da hemorragia (paralisia que atinge um dos lados do corpo).
  • Desvio do olhar ou perda de visão total ou parcial, transitória ou definitiva.
  • Perda de sensibilidade num membro.
  • Afasia (alteração na linguagem e na fala dificuldade de articular as palavras).
  • O ataque agudo manifesta-se sem aviso, surge subitamente. Um doente nestas situações deve ser imediatamente levado ao hospital para tratamento de urgência.
PREVENÇÃO
Abandono do tabaco e do álcool mostra um declínio da sua incidência.

TRATAMENTOS NATURAIS

ALCACHOFRA - Comer alcachofras em abundância e tomar chá das suas folhas.
ALFACE - Chá das suas folhas e talos, 60gr por um litro de água, tomar uma chávena 4 vezes ao dia.
ALHO - Usar liberalmente nas saladas, também está disponível em ervanárias o óleo de alho em cápsulas. Tomar 3 cápsulas por dia.
ALHO E LIMÃO - Amassar 2 dentes de alho, adicionar o sumo de um limão e tomar duas vezes ao dia.
BERINGELA - Usar liberalmente nas refeições, excepto na forma frita. Pode tomar na forma de sumo ou cortá-la em pedaços pequenos ou picada, deixá-la de molho em água, 12 horas depois, coar e beber o liquido.
CEBOLA - Comer à vontade.
CENOURA - Comer duas ou três cenouras cruas por dia.
ESPINAFRE - Usar liberalmente na dieta.
ABACAXI - Fazer uma dieta exclusiva ou substituir algumas refeições por esta fruta.
AMEIXA - Pode incluir ameixa fresca na dieta.
LIMÃO - Terapia do Limão.
TANGERINA - Pode fazer refeições exclusivas algumas vezes.
UVA - Usar óleo de caroço de uva em substituição de óleo de soja. Pode ainda durante dois dias fazer dieta exclusiva de uvas.

Popular

Follow by Email