Escreva a sua pesquisa

7 de junho de 2015

Alimentos que ajudam a prevenir o Alzheimer

O que é o Alzheimer?
O Alzheimer é uma disfunção que afeta principalmente idosos, causando perda gradativa da memória e alterações comportamentais importantes. Os índices de casos da doença têm crescido no mundo todo, o que preocupa muito os profissionais de saúde (hoje já existem mais de 15 milhões de casos em todo o mundo).
É uma doença do cérebro (morte das células cerebrais e consequente atrofia do cérebro), progressiva, irreversível e com causas e tratamento ainda desconhecidos. Começa por atingir a memória e, progressivamente, as outras funções mentais, acabando por determinar a completa ausência de autonomia dos doentes. 

Os doentes de Alzheimer tornam-se incapazes de realizar a mais pequena tarefa, deixam de reconhecer os rostos familiares, ficam incontinentes e acabam, quase sempre, acamados. É uma doença muito relacionada com a idade, afetando as pessoas com mais de 50 anos. A estimativa de vida para os pacientes situa-se entre os 2 e os 15 anos.
A causa da doença de Alzheimer ainda não está determinada, mas já se sabe que ela pode ter relação com: fatores genéticos, deficiências nutricionais, aumento de homocisteína sérica, intoxicação por metais pesados ou alterações hormonais.
No entanto, é aceite pela comunidade científica que se trata de uma doença geneticamente determinada, embora não seja necessariamente hereditária. Isto é, não implica que se transmita entre familiares, nomeadamente de pais para filhos.

Que alimentos ajudam a prevenir o Alzheimer?
Estudos recentes mostram que a alimentação tem um papel importante, tanto no tratamento quanto na prevenção da Doença de Alzheimer.
Apresento alguns exemplos:
  • Guaraná
  • Fontes de Omega 3
  • Frutas, Verduras e Legumes
  • Fontes de Vitamina E
  • Alimentos ricos em antioxidantes
  • Chocolate
  • Chá Verde
  • Fontes de Vitamina C
  • Curcuma (alimento que atribui ao caril a sua cor amarela)
  • Cafeína
  • Casca de Romã
  • Castanhas, Nozes e Amêndoas
  • Azeite de Oliva
  • Consumo de álcool moderado
Muitos estudos demonstram também que não é apenas a Alimentação que pode prevenir o Alzheimer mas sim vários métodos, tais como:
  • Estimular o Cérebro
  • Fazer exercícios regularmente
  • Adotar uma dieta saudável
  • Beber uma taça de vinho tinto por dia
  • Dormir 8 horas por noite
  • Manter a pressão arterial controlada
  • Relaxar para que não se acumule stress.
Como se faz o diagnóstico?
Não há nenhum exame que permita diagnosticar, de modo inquestionável, a doença. A única forma de o fazer é examinando o tecido cerebral obtido por uma biopsia. Assim, o diagnóstico da doença de Alzheimer faz-se pela exclusão de outras causas de demência, pela análise do historial do paciente, por análises ao sangue, tomografia ou ressonância, entre outros exames.

Existem também alguns marcadores, identificados a partir de exame ao sangue, cujos resultados podem indicar probabilidades de o paciente vir a ter a doença de Alzheimer.

Quais são os sintomas da doença de Alzheimer?
Ao princípio observam-se pequenos esquecimentos, perdas de memória, normalmente aceites pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e, por vezes, agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta. Acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados em frente a um espelho.

À medida que a doença evolui, tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares do quotidiano, como alimentação, higiene, vestuário, etc.

Qual é o tratamento adequado?
A doença de Alzheimer não tem cura e, no seu tratamento, há que atender a duas variáveis: 
  • Ao tratamento dos aspetos comportamentais. 
Nesta vertente, além da medicação, convém também contar com orientação de diferentes profissionais de saúde; 
  • Ao tratamento dos desequilíbrios químicos que ocorrem no cérebro. 
Há medicação que ajuda a corrigir esses desequilíbrios e que é mais eficaz na fase inicial da doença, mas, infelizmente, tem efeito temporário. Por enquanto, não há ainda medicação que impeça a doença de continuar a progredir.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pela sua visita e pelo seu comentário.

Popular

Follow by Email